Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Daisypath Anniversary tickers "... E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos,julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre." Miguel sousa tavares

O desejo

por samokal, em 30.09.16

tumblr_n46x4id8M41rnp09vo1_500.png

 

Fatalmente Inevitavelmente, acabo por me sentir tentado a escrever sobre o que não quero, sobre quem não quero!

Recordo-me dos sonhos, das esperanças. Recordo-me da pergunta que batucava muitas vezes na minha cabeça:

" O que desejo afinal?"

Hoje partilho a resposta, uma resposta simples...

Quero, daqui a muitos anos, quando formos muito velhinhos, te poder olhar nos olhos, num daqueles olhares que carregam toda uma historia, afagar suavemente a tua face com a minha mão como que a transmitir-te ao toque toda uma vida de emoções fortes, depois deixa-la descair até encontrar a tua, agarra-la firmemente e dizer-te: Conseguimos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

O arco Iris

por samokal, em 29.09.16

images (1).jpg

 

Vivi uma vida linda, uma autentica demanda pela descoberta, pelo desconhecido.

Mas a minha quimera chegou agora ao fim, desejei um dia descobrir o tesouro que se encontrava no fim do arco-íris.

Andei , corri, saltei, pelo caminho descobri muito sobre as pessoas, descobri muito sobre mim.

Neste percurso soube o que é o amor, vivi a paixão, mas também senti o amargo sabor da perda, o angustiante medo do fim.

Mas nada me fez parar, nada me retirou a esperança e poucas vezes olhei para traz, porque sabia que o pote estava ali... no fim do arco-íris.

Agora... bem agora tudo mudou, alguém me disse que aquelas cores não têm inicio nem fim, alguém me mostrou que não existem recompensas, que afinal andei, também eu, a debater-me com moinhos imaginários, com alucinações loucas e despropositadas, com sonhos demasiado grandes para caberem em alguém, para viverem em alguém ....

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Suspensa

por samokal, em 28.09.16

images.jpg

 

Sinto que a minha vida está suspensa, não onde eu gostaria que ficasse, mas aqui neste local pantanoso...

Durante muito tempo escalei até ao cume da montanha , respirei o mais puro ar, consegui uma vista panorâmica privilegiada, mas um momento de deslumbre e a queda foi abismal.

Não sei se chore pelo que perdi,  pelo que já desisti de procurar,  ou se fique feliz por já ter lá estado, junto das nuvens!

Estou cansado de me debater com esta prisão que me manieta os movimentos .

Não sei se me deixe ir, se desista da luta. Mas quero-me livrar de tudo isto, quero que a minha cabeça me dê descanso, deixar-me de sentir esquisito!

 

Queria adormecer e ficar para sempre no mundo dos sonhos, não precisar mais voltar a este lugar que nada mais têm para me dar !

Respiro profundamente, mas o ar corta-me os pulmões, rasga-me tudo por dentro á sua passagem !

Não sei que me está a acontecer, mas a minha vida está suspensa...

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lisboa

por samokal, em 23.09.16

14368824_1430474846967358_3503992127077701431_n.jp

 

Lisboa é uma cidade com vida, logo, convida a ser visitada, explorada, apreciada...

Na quarta-feira á noite, decidi fazer mais um passeio nocturno pela capital, deambulei pelas sete colinas , visitando alguns dos miradouros que nos dão, de forma privilegiada, algumas perspectivas de cortar a respiração.

Circulei calmamente por ruas que têm sempre algo novo a mostrar , por  lugares embrenhados em historia e historias. 

Até que cheguei ao Martim Moniz, e que encontro lá ?

Uma praça cheia de gente a dançar kisomba ... que giro!  parei o carro e lá fui eu dar uns passos de dança, e que bem que soube !

Autoria e outros dados (tags, etc)

A minha sobrinha

por samokal, em 22.09.16

IMG_9984.JPG

 

Olho-me ao espelho e continuo igual a sempre, nada mudou, e tudo parece na mesma. Até que alguns acontecimentos fazem soar o alarme.

  Ainda há pouco tempo atrás via a minha irmã de barrigão, vaidosa da sua primeira gravidez.Uma menina chorosa, agitada, talvez já inconformada por ainda estar dependente de terceiros, nasceu fazendo de mim tio pela primeira vez.

  Aquele ser haveria de se tornar a pessoa mais idêntica a mim, na personalidade, na curiosidade e na constante ambição!

De repente, aquela menina informa-me que já chegou a Setúbal para o seu primeiro dia na Universidade.

 

"Oláá tio(...) correu tudo bem, adorei! Tenho pessoas super diferentes na turma e em todo o instituto, que vêm de todas as partes de Portugal, é incrível. E o curso parece ser mesmo o que quero. Provavelmente até melhor que o de Lisboa, porque segue o plano de Bolonha, que é o plano internacional de fisioterapia. Depois conto-te tudo. (...) "

 

Um choque... o tempo passou num instante, as crianças que vi nascer tornarem-se adultos traz-me á realidade, afinal os anos passaram.

Olho-me novamente ao espelho, de facto há ali um ou outro cabelo que já perdeu a cor, há também alguns traços mais vincados e a pele já não é tão macia como outrora!

Talvez as maiores transformações ate se tenham dado no interior, hoje encaro algumas situações de outra forma, perdi algumas ilusões e deixei alguns sonhos pelo caminho, mas dentro de mim a criança que corria pelos campos ao lado da irmã ainda continua muito presente, o miúdo irrequieto e deslumbrado com o que a vida traz a cada dia também aparece regularmente e a esperança no futuro também não desapareceu de todo!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Brasileira

por samokal, em 21.09.16

images.jpg

 

Beber uma bica no café A Brasileira não é apenas beber uma bica, trata-se de algo muito mais além disso!

 

Entrar naquele estabelecimento secular é por si só algo diferente , é mergulhar na historia, é sentir a força de um local que já foi frequentado por gerações e gerações de pessoas, umas mais ilustres do que outras, mas todas parecem ter deixado um pouco de si.

 A arquitectura do espaço é fascinante, diferente, tocante, viciante e muitos outros adjectivos poderia aqui colocar...

Olhar para telas que sabemos terem sido pintadas por assíduos frequentadores do local, olhar para mesas que sabemos terem sido local de grandes tertúlias, pensarmos que aquele mesmo chão foi pisado por figuras como Fernando pessoa , Almada negreiros,Stuart carvalhais , entre outros, coloca-nos numa outra dimensão que vai muito para além do espaço físico que ali observamos !

Beber uma bica nA Brasileira é reviver a história, é fazer parte dela!

E mais uma vez o fiz... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Outra perspectiva

por samokal, em 21.09.16

2369-990x765.jpg

 

Ao fim de tantos anos continuo a reforçar a ideia que nada acontece por acaso!

Muito do que nos acontece têm uma razão agregada, umas vezes ela é evidente e instantânea, outras só se revela muito depois e de forma dissimulada , outras ainda, nunca conseguimos perceber!

Entender que a expressão " há males que vêm por bem "  traz-nos uma forma diferente de encarar os obstáculos, leva-nos a olhar para os acontecimentos de uma outra perspectiva, o que leva a que muitas vezes se dissimule o sofrimento!

Somos nós que conduzimos o nosso destino, mas nem sempre o fazemos conscientemente, um pequeno tropeção leva-nos por vezes para um destino completamente diferente do que julgávamos correto,mas como se costuma também dizer" por vezes o lado errado é o nosso lado certo"

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

" i see dead people"

por samokal, em 20.09.16

4c18ab7ba5cd7d713e249276065ce3a15da46822653896236c

 

       Criticar os outros por fazerem aquilo que não temos coragem, é um habito enraizado na sociedade, que teima em não evoluir!

    È mais fácil ficar na penumbra, escondido,  vendo a vida passar sem que olhem para nós, sem dar razões de " falatório",  do que ir atrás do que queremos, seguir os nossos instintos, buscar aquilo que mexe connosco!

  Muitos dos que alcançam mais vezes momentos fantásticos, momentos memoráveis ou simplesmente momentos marcantes, são olhados pelos outros com olhares reprovadores, são vistos como mau exemplo ou gente irresponsável.

 

No entanto nós, sim eu também sou um dos irresponsáveis, olhamos para todos vocês que nos acusam, e simplesmente pensamos :

" I see dead people"

  

  Um conselho: - não passem apenas pela vida, façam parte dela porque viver não é simplesmente estar vivo, é sentir-se vivo!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

De volta!

por samokal, em 20.09.16

IMG_20160919_203612.jpg foto by samokal

 

 

Chegou o dia, o nervosismo miúdo volta, há que preparar as coisas:

Ténis - check

meias-check

calções- check

toalha, chinelos , boxers, meias - check

champô, desodorizante, creme e gel - check

 

 Estou eu de volta a um ritual que tinha abandonado há uns valentes meses, a algo que me limpa a alma, me abstrai de tudo

-jogar á bola com os amigos!

Chegar ao balneário, rever os amigos , equipar entre conversas parvas "á gajo" , risadas e provocações.

Entrar em campo , aquecer e finalmente ter de novo a bola nos pés... só quem sabe percebe, não são as palavras que transmitem estas emoções.

  O jogo começa, como sempre muito morno, mas rapidamente as coisas aquecem, rapidamente a nossa equipa se une e vê, os ainda há bocadinho amigos, como inimigos de morte, vale tudo para ganhar, mesmo a feijões!

 

O jogo acaba muito depois de o meu pulmão ter acabado, mas o cansaço têm sabor, é agradável...

De volta aos balneários , quais comentadores desportivos, as discussões sobre os lances do jogo ganham voz!

A seguir vamos comer umas bifanas e beber umas "jolas", sim...porque isto de jogar não é dieta, é convívio, é vicio, é necessidade!

Ontem não foi mais um dia de futebol, foi o reinicio da minha terapia semanal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

 Há pessoas que já foram bastante próximas, mas que o tempo se encarregou de  afastar. 

O tempo costuma ser sábio, costuma esforçar-se por nos encaminhar, mas por vezes teimamos em achar que ele está errado e nós certos!

 Este fim de semana fiz uma espécie de retorno ao passado em relação a uma amizade, daquelas que eram aparentemente sólidas e puras, mas que os acontecimentos foram mostrando que talvez não fosse bem assim...

Houve um afastamento, consequente arrefecimento que lentamente ditou uma quase nula convivência.

 

Agora nesta tentativa de reposição de laços quebrados, ficou bem vincada a ideia que realmente o tempo não andou mais uma vez a brincar, esteve sim a proteger-me, e eu não quis ver.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Passaram cá ...

counters


Mais sobre mim

foto do autor





Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D