Daisypath Anniversary tickers "... E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos,julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre." Miguel sousa tavares
Mazorca d' Assuntos
Quinta-feira, 23 de Julho de 2015
Partir o bolo

Hoje reservei o meu post para falar de um assunto de grande importância, há que utilizar este espaço de forma educativa, torna-lo até um espaço de interesse publico.

 

Há algo que me apoquenta severamente de há uns anos a esta parte.Um dos meus pecados   hábitos é comer um bolo ou salgado nos estabelecimentos comerciais credenciados á comercialização deste produto, vulgo café,costumo fazer o meu pedido de forma bastante directa e perceptível " um folhado de salsicha se faz favor "  

vamos então subdividir a palavra para tentar perceber se ela deixa azo a qualquer tipo de duvida

Primeira parte ----- " um folhado de salsicha" - trata-se de um pedido direto de um salgado que contem num seu interior uma salsicha inteira ,   apresenta-se, geralmente e montra expositora,  de forma mais ou menos estaladiça , maior ou menor  , mas sempre em forma de produto único...

 

Segunda parte ----" se faz favor"  - apesar de ter que pagar o serviço , não fica nada mal um pouco de educação.

 

alguma duvida???

 

Pois... parece que não é bem assim , na generalidade dos casos o executante apronta-se a pegar num objecto cortante e dividir em dois aquilo que tinha sido pedido ( e exposto) inteiro... mas em que parte da minha frase eu pedi para cortar o meu folhadinho ?? porque razão não tenho eu direito a come-lo todo á dentada?

Fica aqui o apelo " por favor não partam o bolo de ninguém sem pedir autorização"

em caso extremo ...não partam o bolo nem cortem a salsicha !



samokal às 20:52
link do post | O teu contributo | Outros contributos (2) | favorito
partilhar

Terça-feira, 21 de Julho de 2015
Destiladores de veneno sociais

   Cada vez mais é fácil encontrar pessoas a se preocuparem demasiado com as vidas alheias,  é cada vez mais comum alguem acusar sem sequer se dar ao trabalho de perceber a verdade ou a razão . È fácil avaliar os outros pelo que se ouve dizer, mas conhecer o seu semelhante ao ponto de entende-lo...isso é algo em vias de extinção!

   Claro que sempre aconteceu este fenómeno, mas as redes sociais vieram potenciar a forma de algumas víboras destilarem seu veneno, talvez sejam pessoas sem vida própria , mal amadas , mal resolvidas ou simplesmente invejosas por natureza, o facto é que por muito grande que seja a nossa capacidade de nos alhearmos desta gente, a verdade é que somos seres humanos e temos os nossos próprios limites de resistência.

 Entristece-me  assistir a este deplorável espectáculo, e pior ainda é chegar ao ponto de me começar a perturbar, fazendo inclusive perder algum do meu tempo escrevendo sobre isto !!!

  Um único apelo, quando tiverem algo a dizer, digam-no directamente a quem de direito e não utilizem a mais cobarde forma de o fazer !

 

 



samokal às 16:06
link do post | O teu contributo | favorito
partilhar

Sábado, 11 de Julho de 2015
Solidão

Já aqui antes falei sobre a importância que têm se viver só , que me parece algo que todos deveriam vivenciar.

Há um grande conhecimento sobre nós próprios que é retirado dessa experiencia , torna-nos mais fortes , sábios e sobretudo mais capazes de viver com os outros .

 No entanto o ser humano é feito para viver com outras pessoas , não somos por origem um ser solitário.

Nada têm a mesma importância quando não nos confortamos no aconchego de alguém com  que partilhamos a vida,e sobretudo o dia a dia . As alegrias esbatem-se e as tristezas agudizam-se na solidão.

 Mas para alem da ausência de alguém ao nosso lado a nível afectivo , emocional e físico, há também a falta de companhia e em ultima analise ajuda!

Esta semana deparei-me com um problema de saúde que me fez cair em cima com todo o peso a força da solidão , fiquei debilitado , quase sem forças,e por pouco não perdi os sentidos e não tinha ninguém ali, imaginei que se me acontecesse algo talvez ficasse tempos sem ser encontrado , embora tenha muitos amigos e famila que se preocupamt,  a verdade é que cada um anda centrado na sua vida, ao não atender o telefone julgariam que eu estaria bem ...

Felizmente ainda tive uma réstia de força para fazer umas chamadas e prontamente fui socorrido , levado ao hospital e acompanhado nesse dia infernal assim como nos restantes de recuperação.

 

Obrigado aos meus amigos por estarem ao meu lado, mas ainda assim senti dolorosamente a solidão de um momento de angustia.



samokal às 20:39
link do post | O teu contributo | favorito (1)
partilhar

Sexta-feira, 10 de Julho de 2015
Cenas de gaja

Para um gajo que continua a manter intactas todas as propriedades que o tornam num alfa dominante, é um exercício de grande dificuldade compreender o fascínio  das mulheres por unhas...

  Mas que raio de loucura é esta que elas têm, por algo que se não nos chamarem a atenção nem sequer percebemos que foram pintadas , quanto mais cortadas ,arranjadas , esticadas , escovadas...

 Elas perdem horas a tratar daqueles pequenos apêndices, e muitas mais ainda a compara-las com as das amigas  e a falar sobre o assunto .

 Supostamente as mulheres arranjam-se para seduzir um gajo , ou no mínimo para se fazerem notadas, mas verdade seja dita nunca me apercebi de nenhum comentário masculino para tal parte da anatomia feminina. 

Assim de repente não estou a imaginar dois gajos a mancar uma presa e a fazer comentários do tipo : "Aquelas unhas deixam-me louco" ou ainda " que grandas unhas !"

Eu sei que os homens saíram limitados de origem á condição de apenas discutirem bola,carros e gajas  mas ainda assim... que raio vem a ser isto?

Há tipos que até já adaptaram uns "chips" de rendimento e atingem patamares em que conseguem discutir até cenas de cremes e depilações mas unhas... isso é muito!

A única vantagem que vejo , pelo menos no verão que é época de defeso futebolístico , é que  nós (gajos) ficamos por vezes sem assunto e para elas isto pode até servir de desbloqueador de conversa:  imagino uma mesa de gajas sem assunto e de repente uma pode sempre perguntar: - Isso são unhas de gel , gelinho ou gelax ?  e têm assunto para o resto do mês!

 



samokal às 18:19
link do post | O teu contributo | Outros contributos (2) | favorito
partilhar

Quinta-feira, 9 de Julho de 2015
Litlle things

E aos poucos percebemos que a vida é feita de momentos, é feita de vivencias 

paixões vividas e também as que apenas foram desejadas 

Aos poucos percebemos que são as pequenas coisas que tornam grande a nossa existência 

o melhor acontece sem aviso, sem premeditação , surge apenas!

Aos poucos aprendemos a apreciar os detalhes , os pormenores

aprendemos que é lá que esta a essência de saber viver 

Aos poucos aprendemos que não podemos exigir nada a ninguém 

apenas nos podemos permitir usufruir o que nos é concedido 

 



samokal às 16:20
link do post | O teu contributo | Outros contributos (1) | favorito
partilhar

Segunda-feira, 6 de Julho de 2015
Olho para ti , lua

Olho para ti , lua , olho como sempre olhei

 minha fonte de inspiração , minha confidente 

tu que tantas vezes me aproximaste de quem esta longe 

tu que me encaminhaste nos momentos de duvida 

 

olho para ti lua , mas vejo tristeza no teu luar 

talvez seja o reflexo de mim 

talvez seja por já nem tu me trazeres quem perdi 

ainda assim , olho para ti , lua 

olho, porque sei que esse alguém te olha também !

 



samokal às 23:03
link do post | O teu contributo | favorito (1)
partilhar

Passaram cá ...
counters
pesquisar
 
ultimos posts

O nosso amor

Vento

A noite

Caminhando na penumbra

Ninguém sabe...

Sempre que me sinto trist...

Esquecido de mim

Afinal os contos de fadas...

Acordei

A felicidade

Ano novo

O coração

Este Natal

Amo-te

A escolha

Passeio nocturno

Desenquadrado

Momento

Hoje é um dia especial

Escolha

Dois meses

Viagem solitária

Dois minutos

Amanhã é outro dia

Nem sempre...

Tudo ou nada

Chegou a hora!

O telefonema

" Se te desse um beijo o ...

Eu estarei aqui, contempl...

Tralha antiga

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

.
subscrever feeds